Projetos de Pesquisa

2020 – 2022
 
Ensino-aprendizagem de Relações Internacionais do Mundo Árabe
O que é "Relações Internacionais do mundo árabe"? Como – e por que – essa disciplina deve ser ensinada em nível de pós-graduação? Essas são as três questões inter-relacionadas que este projeto procura responder, fundamentado teórica e metodologicamente pela filosofia da educação de Paulo Freire, pela literatura de Relações Internacionais (RI) centrada nos estudos de regiões globais e preocupada com a construção de uma disciplina menos Nortecêntrica/Ocidentalocêntrica e, portanto, verdadeiramente global em sua forma, abrangência e conteúdo. A hipótese que guia esse projeto é a de que o avanço do conhecimento sobre como Estados, instituições e movimentos sociais considerados "árabes" interagem entre si e com seus pares não-árabes, tanto em nível regional quanto global, exige uma disciplina própria. Isso se deve ao fato de que um curso focado nas Relações Internacionais do mundo árabe (RIMA) permite o estudo de todo um conjunto de dinâmicas políticas, econômicas, sociais e culturais que simplesmente não podem ser tratadas adequadamente quando incluídas na disciplina mais ampla de Relações Internacionais do Oriente Médio. E essa disciplina de RIMA deve ser construída a partir do lugar onde ela é ministrada, ou seja, partindo dos saberes que os alunos já possuem sobre a região e dando a ela um sentido prático – em termos de práxis, de saber para intervir na realidade.
 
2018 – Atual
NEBRICS – Linha de pesquisa LEA-BRICS
Essa proposta de trabalho, vinculada ao NEBRICS da UFRGS, busca desenvolver estudos sobre as relações institucionais bilaterais entre a Liga de Estados Árabes (LEA) e os membros dos BRICS. Dentre os temas que essa linha de pesquisa engloba, destacam-se os desenvolvimentos do Fórum de Cooperação Sino-Árabe, Fórum de Cooperação Indo-Árabe e Fórum de Cooperação Russo-Árabe, iniciados em 2004, 2008 e 2009, respectivamente. Também discute o desenvolvimento das relações entre a LEA e o Brasil, especialmente dentro dos termos da Cúpula ASPA, iniciado em 2005